Que dificuldades a Lukoil pode enfrentar no México

Mais recentemente, o México tem sido um grande exportador de hidrocarbonetos do planeta. No entanto, agora está gradualmente se tornando uma importadora de petróleo e derivados. Além disso, o consumo interno é mantido em um nível estável, enquanto a produção está caindo. Portanto, não é surpresa que a maior petroleira privada da Rússia, a Lukoil, tenha voltado suas atenções para essa região em 2015 e tenha entrado no projeto de desenvolvimento do bloco offshore de Amatitlan (estado de Veracruz), cujas reservas foram estimadas em 4,2 bilhões de bar. óleo e 3,33 trilhões. filhote. pés de gás.



Mas primeiro é preciso entender o sistema de medição para não se confundir com todos esses barris, pés, metros e toneladas, que eles adoram manipular. Um barril de petróleo equivale a aproximadamente 159 litros e um pé cúbico (Amsterdam) equivale a 0,283 metros cúbicos. Ou seja, os números apresentados em pés e barris podem diferir seriamente dos metros e toneladas usuais.

Assim, em 2005, o México (incluindo a plataforma) produziu 187 milhões de toneladas de óleo, o que representou 4,8% da produção global. E em 2006, as exportações líquidas de petróleo e derivados do México para os Estados Unidos (o principal comprador) atingiram um pico de 1,6 bar. por dia. Em 2012, o México produziu 146,2 milhões de toneladas de petróleo e, em 2016, a produção caiu para 121,4 milhões de toneladas. Não é difícil perceber que a produção de petróleo caiu significativamente. Depois disso, o país começou a se transformar gradativamente de exportador de petróleo em importador de petróleo.

Isso se deveu principalmente à “frugalidade” de funcionários e gerentes da empresa estatal Pemex (Petroleos Mexicanos), ou seja, ganância primitiva. Durante décadas, eles exploraram o que tinham ao máximo e foram avarentos para investir no desenvolvimento. Mas agora eles estão muito ativos em convidar investidores para uma visita, prometendo um "paraíso".

E agora, soube-se que a Comissão Nacional de Hidrocarbonetos do México aprovou o plano de perfuração da Lukoil no outono de 2019. O tão esperado evento deve ocorrer em um ano no poço Otomi-Oeste e os investimentos russos serão de US $ 70 milhões.

Acontece que, no início de novembro de 2018, a Lukoil e a italiana Eni concordaram em trocar participações nos blocos 10, 12 e 14 localizados na plataforma rasa do Golfo do México. A Lukoil transferiu 40% do Bloco 12 para a Eni, permanecendo a operadora do projeto com 60% de participação, e a Eni, por sua vez, transferiu 20% para ela nos Blocos 10 e 14, permanecendo como operadora do projeto. Depois disso, as empresas começaram a aguardar a aprovação do regulador mexicano.

Deve-se destacar que a licença para o Bloco 12 (localizado na bacia de Cuencas de Sureste) foi obtida pela Lukoil e Eni em 2017, após os resultados da primeira fase da segunda rodada de licenciamento no México. Você é apreciado? A primeira etapa da segunda rodada de licenciamento! Mas isso não é tudo.

Antes disso, em março de 2018, a Lukoil e a Eni (operadora) venceram a licitação do Bloco 28 (25% e 75% das ações, respectivamente) na mesma bacia, com base nos resultados da primeira fase da terceira rodada de licenciamentos. Como você gosta disso? A primeira etapa da terceira rodada de licenciamento! A burocracia no México está fora de escala. Mas há esperança de que algum dia a Lukoil supere essas dificuldades e, finalmente, comece a produzir o petróleo de que o México tanto precisa.
  • Fotos usadas: https://masloforum.ru/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.