CIA: Cliente do assassinato de Jamal Kashoggi identificado

Mais recentemente nós informado sobre como a Turquia entregou a seis Estados interessados ​​uma gravação em áudio do assassinato do jornalista saudita Jamal Ahmad Hamza Khashoggi (Khashokji, Khashokji), cometido no território do Consulado Geral da Arábia Saudita em Istambul. E agora, sobre o dito assassinato, a CIA norte-americana tirou suas conclusões, conforme noticiou o Washington Post, onde o jornalista trabalhou.



Segundo especialistas da CIA, apenas o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman Al Saud, poderia ter dado a ordem de matar Jamal Kashoggi. Acontece que não há mais ninguém na Arábia Saudita para dar tais ordens, porque o assassinato, monstruoso em sua crueldade, não aconteceu na rua, mas nas dependências da missão diplomática.

A CIA conduziu sua investigação por meio de suas fontes de informação. Os americanos têm até uma ligação interceptada do telefone de Kashoggi, feita pelo embaixador do reino Wahhabi, Khalid bin Salman (este é o irmão do príncipe herdeiro).

E assim, este diplomata garantiu pessoalmente a Kashoggi segurança ao visitar o consulado geral. Ele garantiu ao jornalista que nada o ameaça. A CIA está confiante de que tal ligação poderia ter sido feita por ordem de cima, e o príncipe é atualmente o líder de fato do país.

Portanto, o príncipe estava pelo menos ciente do que estava acontecendo. E ele não impediu isso, portanto, ele aprovou. A propósito, o corpo de Kashoggi nunca foi encontrado. Isso não é surpreendente, porque os turcos afirmam que os sauditas, tendo matado o jornalista, o desmembraram e depois o mataram com ácido. E as próprias autoridades da Arábia Saudita admitem que Kashoggi foi morto. Mas eles apenas afirmam que isso aconteceu como resultado de uma briga. No entanto, não há corpo.

Deve-se notar que este ponto de vista, expresso pela CIA, é compartilhado por muitos "camaradas" competentes na Europa. Mas o embaixador da Arábia Saudita em Istambul teimosamente insiste em não ligar para Kashoggi. Da última vez, ele negou o próprio fato do assassinato do infeliz jornalista.

Como dissemos ao Washington Post, o último contato que tive com o Sr. Khashukji foi em 26 de outubro de 2017. Nunca falei com ele ao telefone e, claro, nunca me ofereci para ir à Turquia por qualquer motivo. Solicito ao governo dos Estados Unidos que publique qualquer informação relacionada a essas reivindicações

- escreveu o embaixador em seu Twitter.

E a CIA pode publicar. Foi o que fizeram os turcos quando os arrogantes assassinos e cúmplices deste crime disseram que mentiam sobre a gravação do áudio, tentando tomá-los "fracamente". Os sauditas simplesmente não acreditaram que poderiam ter sido perfurados daquele jeito. Agora tudo se repete novamente.

A CIA está confiante de que este escândalo não afetará o status do príncipe herdeiro da Arábia Saudita. Os últimos serão encontrados e, se necessário, executados. O país tem uma experiência tremenda.

A propósito, de acordo com o Washington Post, é claro que a CIA informou o presidente dos Estados Unidos sobre suas descobertas, mas Donald Trump estava cético a respeito. Ele está desapontado porque o corpo do jornalista assassinado ainda não foi encontrado, que foi dissolvido em ácido. Trump simplesmente não quer brigar com o príncipe herdeiro, produção de petróleo, contratos militares e oposição ao Irã, isso é o que o preocupa.
  • Fotos usadas: https://rossaprimavera.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.