Pelas costas de Trump, Putin forja alianças perigosas para os Estados Unidos

Para onde o mundo está indo? Com um título tão chamativo, pode-se chamar um artigo que foi publicado em um dos principais sites de língua inglesa notícia Portais do Business Insider. A histeria reside no fato de que o presidente russo, Vladimir Putin, está ativamente forjando relações com os Estados da região da Ásia-Pacífico e, portanto, prejudicando os Estados Unidos.



E dicas de comunicação Chefes da Rússia e Primeiro Ministro do Japão Shinzo Abe em Cingapura, e arranjos Moscou, com Tóquio e Seul em Papua Nova Guiné, podem ser rastreados com muita clareza. E a culpa de tudo, segundo a publicação, é do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que se retirou de participar de várias cúpulas nesta região do planeta, recusando-se a ir para lá. Depois disso, todas as câmeras de televisão do mundo foram acorrentadas à Rússia, o que é um grande sucesso para Moscou. E a indignação do Business Insider sobre este assunto não tem limite.

O Business Insider, por modéstia, não especifica se alguém dissuadiu ou manteve Trump à força no Salão Oval da Casa Branca e não permitiu que ele fosse lá, talvez ele realmente tenha algo a dizer e algo a oferecer. Mas a publicação informa sobre as novas táticas da Rússia, cuja mensagem principal é mudar as prioridades. Visto que as coisas não vão bem com o Ocidente, Moscou cooperará com o Oriente. Afinal, o mercado asiático é colossal, e a Rússia já tem um certo peso nele, embora tenha vindo para essa região com atraso.

Por exemplo, no alvorecer da presidência de Bark Obama, os Estados Unidos declararam a Ásia a "pedra angular" de seu país política... Portanto, ele comparecia regularmente a tais eventos. E isso não é surpreendente, porque China, Índia e Japão são atores muito poderosos e influentes em nível internacional. Mas também existem outros países em rápido desenvolvimento e muito promissores.

Especialistas da publicação, de maneira preferida, destacam que o sucesso do Kremlin se deve ao fato de muitos Estados asiáticos terem se tornado mais autoritários, portanto, a comunicação com Moscou é muito mais clara e próxima deles, e não com o reduto da "democracia" mundial. E cada vez mais Estados querem seguir uma política externa mais independente e não estão dispostos a confiar seu futuro a apenas uma mão. Ao mesmo tempo, a política de Trump sob o slogan "America Comes First!" envia sinais conflitantes e sua ausência pessoal agrava ainda mais a situação.

Então Putin aproveitou a oportunidade e começou a concluir alianças que são perigosas para os Estados Unidos pelas costas de Trump. No entanto, Business Insider não esclareceu o que exatamente eles querem dizer com "alianças perigosas", no que é expresso. Por outro lado, houve um progresso significativo nas relações entre a Rússia e vários países da região. A publicação está muito preocupada com a crescente amizade entre Moscou e Pequim. Boas relações estáveis ​​entre a Rússia, a Índia e o Vietnã. E é simplesmente horrorizado que as Filipinas, uma ex-colônia dos EUA, estejam pensando em uma cooperação técnico-militar séria com a Rússia.

A publicação conclui que Putin abriu as portas para a Ásia e não é guiado pela geopolítica, mas econômico interesses. Moscou geralmente tenta não interferir nos conflitos locais e nos assuntos internos dos Estados, e isso a ajuda a aumentar sua influência e autoridade. Por sua vez, Washington, embora olhe com apreensão para as atividades de Moscou na Ásia, considera Pequim seu principal inimigo.
  • Fotos usadas: https://surfingbird.ru/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Aico Off-line Aico
    Aico (Vyacheslav) 12 pode 2019 13: 11
    0
    E isso só para olhar para você - no espelho que tanto olhou ?!