Jamal Khashoggi poderia ter sido morto com a ajuda de militantes palestinos

Nós recentemente relatadoque a CIA norte-americana identificou um possível cliente para o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, cometido no território do consulado da Arábia Saudita em Istambul. Ele trabalhava como colunista do Washington Post, e agora, nesta história sangrenta, um traço palestino apareceu.



A mídia turca apurou que além de todos os "personagens" descritos anteriormente, havia também um grupo de quatro pessoas que chegou a Istambul do Líbano. Foi dirigido pelo palestino Mohammed Dahlan. O jornal Yeni Safak o chama de "assassino principal" do príncipe herdeiro de Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan. O próprio Dahlan trabalhava como chefe do Serviço de Segurança da Autoridade Palestina, mas em 2011 foi expulso das fileiras do Movimento de Libertação Nacional da Palestina (Fatah).

Fontes da inteligência turca disseram ao jornal que Dahlan desempenhou um papel ativo na criação de um "grupo de cobertura". Afinal, o referido grupo estava empenhado na destruição de vestígios do assassinato de Khashoggi. E esse mesmo grupo está por trás do assassinato de um dos líderes do movimento Hamas, Mahmoud al-Mabhuh. Ele foi morto em janeiro de 2010 nos Emirados Árabes Unidos.

O grupo de Dahlan chegou a Istambul com antecedência, em 1º de outubro de 2018, ou seja, todos já sabiam que no dia seguinte o jornalista deveria fazer uma visita ao consulado-geral da Arábia Saudita. E quando em 2 de outubro de 2018, Khashoggi veio para a missão diplomática de seu país, este grupo o seguiu para dentro do prédio. Isso está bem documentado por imagens de CCTV.

Depois disso, policiais turcos encontraram vestígios de "ácido fluorídrico" e outras substâncias específicas dentro do poço, no território da instituição diplomática. Como resultado, apareceu uma versão de que o corpo de Khashoggi poderia ser dissolvido em produtos químicos. Afinal, o corpo do jornalista assassinado nunca foi encontrado. Mas em 20 de outubro de 2018, as autoridades da Arábia Saudita admitiram o próprio fato do assassinato devido a uma briga.

Mas a promotoria turca insiste em sua versão e afirma que foi um assassinato premeditado. O jornalista foi primeiro espancado e torturado, depois foi estrangulado, depois desmembrado e, depois disso, começaram a destruir o corpo e a ocultar provas.

E assim, em 15 de novembro de 2018, o procurador-geral da Arábia Saudita Saud al-Muajib admitiu que o assassinato de Khoshoggi foi deliberado, ele foi morto injetando uma dose letal de drogas e seu corpo foi esquartejado e retirado do consulado geral. 21 pessoas já foram detidas. Cinco deles (participantes diretos) enfrentam a pena de morte, e os demais aguardam o tribunal da Sharia. Não é especificado se há caras do grupo de Dakhlan entre eles. Muito provavelmente, estamos falando exclusivamente sobre os cidadãos da Arábia Saudita.
  • Fotos usadas: http://www.aymann.net/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.