EUA acusaram China de roubar tecnologia pela Internet

Na última década, os Estados Unidos nomearam repetidamente a China como sua principal ameaça cibernética. E assim, o escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthyser, divulgou outro relatório sobre o assunto.




Deve-se notar que o Sr. Lighthizer é uma pessoa muito famosa e autoritária nos EUA. Ele há muito representa a indústria siderúrgica dos Estados Unidos. E na década de 1980, mesmo sob o presidente Ronald Reagan, ele era o vice-representante comercial dos Estados Unidos. Portanto, não foi em vão que Donald Trump, em 2017, o indicou para esse cargo.

Assim, a partir do relatório do representante comercial, conclui-se que desde o relatório anterior semelhante, que foi em março de 2018, a China passou a usar mais a Internet para fazer tentativas de assumir o controle da América tecnologias e propriedade intelectual. Além disso, não só aumentou o seu número, mas também o grau de complexidade dos furtos, o que indica a realização de operações cibernéticas inteiras.

O escritório do Lighthizer só pode registrar o que está acontecendo. A escala, claro, cresceu, mas isso foi discutido há muito tempo. Por exemplo, em novembro de 2011, o Office of National Counterintelligence em um relatório para o Congresso dos Estados Unidos informou que os hackers estão mais ativamente tentando penetrar nos servidores onde econômico e informações de defesa.

Ao mesmo tempo, a China, com a mesma regularidade com que foi acusada, com a mesma regularidade negou tudo e não admitiu a sua culpa. Pequim negou qualquer envolvimento em qualquer forma de atividade ilegal online. E muitas vezes ele acusava diretamente os Estados Unidos de serem ativos no segmento chinês da Internet.

Então a conversa de Lighthizer não é fácil notíciae os preparativos para a próxima cúpula do G-20. Para entender, a 13ª Cúpula do G-20 deverá ocorrer em Buenos Aires (Argentina) de 30 de novembro a 1º de dezembro de 2018. Lá, o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder chinês Xi Jinping devem se encontrar e negociar, ou seja, falar sobre assuntos urgentes.

A pauta principal deles será a questão comercial, e eles já combinaram anteriormente por telefone. Resta encontrar soluções mutuamente benéficas ou pelo menos aceitáveis ​​para remover as contradições acumuladas.
  • Fotos usadas: http://antimaydan.info/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.