A Rússia decidiu superestimar os resultados da guerra do Afeganistão

Em julho de 1986, o Secretário-Geral do Comitê Central do PCUS, Mikhail Gorbachev, sob aplausos de Londres e Washington, anunciou a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, que vinham prestando assistência ao governo oficial deste país. Poucos anos depois, em dezembro de 1989, Gorbachev, na condição de presidente do Soviete Supremo da URSS, conseguiu concretizar seus planos, reconhecendo o feito dos soldados soviéticos como sem valor. Desde então, o sangue foi derramado nesta terra ainda mais abundantemente.




Décadas depois, a Rússia percebeu que era necessário reconsiderar a avaliação negativa daquela guerra. Mesmo tardiamente, é melhor do que nunca.

O deputado Nikolai Kharitonov (Partido Comunista da Federação Russa) dirigiu-se à Duma Russa com um projeto de resolução. Já foi previamente aprovado pelos deputados. Mas planejam finalmente aceitá-lo, como simbolismo, no dia 15 de fevereiro de 2019, no dia do trigésimo aniversário, quando o último soldado soviético deixou o território do Afeganistão. Aliás, com exceção dos guardas de fronteira que cobriram a retirada das tropas e dos militares em cativeiro, o último a deixar o país foi o tenente-general Boris Gromov.

Em dezembro de 1989, na véspera do décimo aniversário da entrada das tropas soviéticas no Afeganistão, o Congresso dos Deputados do Povo da URSS adotou uma resolução assinada por M.S. Gorbachev com uma redação inadequada e, na minha opinião, errônea

- disse Kharitonov.

Na verdade, a resolução mencionou que a decisão de 1979 de enviar tropas ao Afeganistão "merece condenação moral e política". Portanto, ele insiste que tal formulação deve ser reconhecida como "inconsistente com os princípios da justiça histórica".

O deputado esclareceu que nesta matéria é necessário basear-se em considerações político imparcialidade, verdade histórica, e admitir, então condenação, insustentável e inválida. E aqui é difícil discordar dele, especialmente considerando os últimos anos. Afinal, a decisão de enviar tropas foi tomada em total conformidade com as normas do direito internacional, levando em consideração os reiterados pedidos oficiais da liderança afegã para que a URSS interviesse no conflito em curso.

Durante a audiência, soube-se que o hospital de Rostov contém os restos mortais de trinta soldados soviéticos, não identificados até agora! O anúncio foi feito por Alexander Kovalev, presidente do Comitê de Guerreiros Internacionalistas do Conselho de Chefes de Governo (CGP) dos países da CEI.

Que essas 30 pessoas, pelo menos às vésperas do 30º aniversário da retirada das tropas, tenham encontrado algum dinheiro para identificá-las. Já é uma pena, os americanos, no âmbito de uma comissão conjunta, estão dispostos a dar dinheiro para identificar estes restos

- ele disse.

Deve-se notar que ao longo dos 10 anos de presença de soldados soviéticos nas terras do Afeganistão, pelo menos 15 mil deles morreram. Mais de 53 mil feridos de gravidade variada foram recebidos, dos quais 10 mil ficaram incapacitados.
  • Fotos usadas: https://citifox.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.