EUA enviaram aviões para seguir a Crimeia

Em 2 de dezembro de 2018, o drone de reconhecimento estratégico RQ-4B Global Hawk mais uma vez se materializou na costa russa do Mar Negro. Ele passou oito horas sozinho "vagando" pela vizinhança e procurando ativamente por algo.




Não se sabe o que os americanos poderiam ter "perdido" na costa da Crimeia e do Kuban, mas a região do Estreito de Kerch os preocupa francamente. Depois de algum tempo, um avião de patrulha anti-submarino Boeing P-8A Poseidon juntou-se ao drone e, juntos, continuaram seu reconhecimento aéreo.

Deve-se notar que tanto o Global Hawk quanto o Poseidon estão baseados na base aérea de Sigonella da OTAN (Sicília, Itália). De lá, eles voam para admirar as margens pitorescas da costa do Mar Negro da Rússia, de que gostam tanto que estão prontos para voar tão longe, e regularmente. Ao mesmo tempo, não se esqueça que os americanos têm a oportunidade de usar o território e a infraestrutura da Ucrânia e da Romênia.

A propósito, ambos voaram 35-45 quilômetros da costa russa, ou seja, eles não entraram nas águas territoriais da Rússia. Afinal, eles podem realizar reconhecimento eletrônico a uma distância de centenas de quilômetros. Ao mesmo tempo, o Global Hawk pode permanecer no céu por até 30 horas. E somente a partir de 25 de novembro de 2018, nove dessas visitas já foram registradas.
  • Fotos usadas: http://www.sandiegometro.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.