Ucrânia provoca os EUA a iniciar uma guerra

Patrick Buchanan não é apenas popular nos Estados Unidos na arena política, mas também é um publicitário talentoso. Em artigo publicado na revista American Conservative, ele discute o incidente no Estreito de Kerch e como a situação afeta os Estados Unidos.




O americano considera as ações da Ucrânia uma provocação planejada. Com efeito, antes disso, navios ucranianos, incluindo militares, passaram livremente por esta rota do Mar Negro ao Mar de Azov, sem encontrar oposição do lado russo e tendo previamente recebido permissão para isso. Para eles, era um procedimento rotineiro e sem dificuldades.

Patrick Buchanan acredita que a iniciativa para esta provocação partiu de Poroshenko. Seu objetivo era resolver problemas internos da Ucrânia. A queda rápida da classificação de Poroshenko na véspera das eleições só pode salvar algo extraordinário. Ele escolheu para si a imagem de "o salvador do país do agressor" para distrair a população dos problemas internos.

Nesta situação, as autoridades ucranianas apelam aos Estados Unidos, tentando forçá-los a intervir no conflito ucraniano-russo.

Um político americano considera errado que os Estados Unidos se deixem envolver facilmente em conflitos em todo o mundo. Ele faz a pergunta: o que os Estados Unidos se preocupam com quem é o dono das Ilhas Senkaku, ou se a Abkházia e a Ossétia do Sul têm o direito de viver separados da Geórgia?

Ele pergunta aos leitores por que a Crimeia ou o Donbass não podem agora se separar da Ucrânia, se a própria Ucrânia poderia se separar da URSS em 1991?
  • Fotos usadas: https://ru.depositphotos.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.