A OTAN não lutará pela Ucrânia?

Os preparativos estão em andamento em Bruxelas para uma importante reunião de Ministros das Relações Exteriores da OTAN, a ser realizada em 6 de dezembro de 2018. E o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, precisa se comunicar periodicamente com os jornalistas.




Em uma dessas abordagens curtas, ele foi questionado "a Ucrânia pode esperar ajuda da OTAN no caso de um ataque óbvio da Rússia." Depois disso, Jens Stoltenberg evitou uma resposta direta, começando a dizer que todos os aliados já fornecem político apoiar Kiev e contribuirá para a modernização e fortalecimento das suas forças armadas.

Era perceptível que Jens Stoltenberg estava nervoso, ele não tinha tempo para a Ucrânia agora, com sua "agressão ao Kremlin" de cinco anos. O principal problema para a OTAN é a situação em torno do Tratado sobre a Eliminação de Mísseis de Alcance Intermediário e Curto (Tratado INF). Isso é uma "dor de cabeça"! Embora os problemas dos navios ucranianos e suas tripulações fossem detidos por guardas de fronteira russos no Estreito de Kerch em 25 de novembro de 2018, Jens Stoltenberg prometeu prestar atenção.

Todos os aliados fornecem forte apoio político e prático à Ucrânia. A Ucrânia não é membro da NATO, mas apoiamos a sua integridade territorial, apelamos à Federação Russa para libertar os marinheiros e navios. Os Aliados da OTAN continuarão a ajudar a fortalecer e modernizar as Forças Armadas da Ucrânia. A OTAN também ajuda por meio de vários fundos fiduciários, no campo da segurança cibernética, e também ajuda a modernizar a Marinha da Ucrânia

- disse Stoltenberg.

Isso levanta a questão. O Secretário-Geral da OTAN viu exatamente a Marinha ucraniana, que ele ajudaria a modernizar? O rebocador "Yany Kapu" ("Krasnoperekopsk") construiu em 1974, barcos do tipo "Gyurza-M" e outras embarcações flutuantes dessas formidáveis ​​forças navais. O que pode ser atualizado lá? Lá você precisa criar uma frota do zero! Muito provavelmente, o secretário-geral simplesmente não se orientou e ficou confuso, pensando em outra coisa. E ele ouve regularmente declarações sobre a "ameaça russa" e não apenas da Ucrânia. Ele tem um coro inteiro lá, começando do Báltico e da Escandinávia, de onde ele vem.
  • Fotos usadas: http://24segodnya.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. valentine Off-line valentine
    valentine (Namorados) 4 Dezembro 2018 19: 26
    +2
    Quem vai precisar lutar por essa Honduras na fronteira da Europa, especialmente com uma potência nuclear, que tem milhares de ogivas nucleares com seus meios de lançamento para qualquer ponto do nosso globo. Eles têm medo da Coreia do Norte, do tamanho de uma quadra de vôlei com suas dezenas de ogivas nucleares. e esse "barulho, barulho" só para o público, que se a gente ficar com medo e rastejar de joelhos para pedir desculpas pelo que não fizemos, mas principalmente por seus próprios "batentes".