"Esquerda um pouco engraçada": um funcionário da OTAN falou sobre as relações com a Rússia

Na semana passada, em Bruxelas, de 4 a 5 de dezembro de 2018, realizou-se uma reunião dos chefes das agências de relações exteriores dos países da NATO. Os principais tópicos de discussão foram o Tratado INF e as críticas à Rússia. Além disso, as acusações contra a Rússia têm sido tradicionais desde a formação deste bloco "amante da paz" e o fim da "guerra fria" não afetou de forma alguma este processo.




contudo Gazeta.Ru a opinião de um oficial da OTAN, que está bem ciente do que está acontecendo na OTAN e está bem familiarizado com as especificidades russas, tornou-se interessante. Este é o ex-chefe do gabinete de informação da Aliança em Moscou, Robert Pszel, que agora é o conselheiro sênior da OTAN para a Rússia e os Balcãs Ocidentais. Ele concordou em responder a várias perguntas da publicação.

Resulta da entrevista que a nova doutrina de Bruxelas em relação a Moscou é "proteção, dissuasão e diálogo." Afinal, os aliados da OTAN, que temem a Rússia, estão pedindo isso.

Segundo Pszel, o diálogo é a parte mais importante e as reuniões de conselho OTAN-Rússia e a comunicação militar desempenham um papel fundamental. A OTAN fica igualmente satisfeita com a chegada de jornalistas russos, embora Bruxelas não espere artigos agradáveis ​​deles. A OTAN aprecia muito qualquer oportunidade de se encontrar, conversar e discutir (mesmo emocionalmente) com especialistas da Rússia.

Pszczel não acredita que a Rússia esteja ameaçando ninguém com mísseis e precisa de um confronto. Ele geralmente considera o caso Skripals tão absurdo quanto as acusações de ataques cibernéticos. No entanto, ele está confiante de que a Rússia precisa mudar sua imagem. A propósito, Pszel é um conhecido colecionador de desenhos animados soviéticos durante a Guerra Fria.

Ele especificou que não passa uma semana nos parlamentos da UE e da OTAN sem discutir a Rússia e suas ações na Síria, Montenegro, os países bálticos ou a Ucrânia. E essas discussões não lhe dão prazer. É melhor enfrentar e resolver os problemas juntos.

Pszczl ressaltou que existem países geograficamente próximos da Rússia, que têm motivos para preocupação. E a Rússia precisa fazer o dobro de esforço para convencer seus potenciais parceiros da paz, para restaurar a confiança. Ao mesmo tempo, hoje é difícil nomear um país da UE ou da OTAN que veja mais perigos na Rússia do que oportunidades potenciais de cooperação. Isso se falamos sobre o quadro todo.

Em sua opinião, a Rússia tem um sério impacto no sistema de segurança internacional. E embora tenha um exército forte e um grande território, não pode existir por conta própria, pois o mundo está organizado de forma diferente. Ele acrescentou que há 29 países na OTAN e isso sugere que as decisões são tomadas por consenso. Apesar de lamentar que tenha sido criada a imagem de que a OTAN só prejudica a Rússia e que os aliados discutem exclusivamente entre si.

Quando questionado se ele sente falta de Moscou, Pszel respondeu que realmente há nostalgia. Ele sempre se interessou pelo que estava acontecendo na Rússia, literatura, novos filmes. E quando lhe perguntaram que tipo de caricatura ele iria desenhar, ele respondeu: "Para ser honesto, não há ideias, resta pouca graça".
  • Fotos usadas: http://lj-media.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. pafegosoff Off-line pafegosoff
    pafegosoff (Arkhip Pafegosov) 10 Dezembro 2018 17: 24
    +2
    ... a nova doutrina de Bruxelas sobre Moscou é "proteção, dissuasão e diálogo"

    Partindo do fato de que os americanos acreditam que "a melhor defesa é um ataque", e o "diálogo" dos americanos em todo o mundo é chamado de monólogo (como um macaco que tapou os ouvidos).