Trump prometeu derrotar o ISIS em um mês

Em 11 de dezembro de 2018, o presidente dos EUA, Donald Trump, ao assinar a Lei de Prestação de Contas e Ajuda de Emergência ao Genocídio no Iraque e na Síria, fez uma declaração promissora. Um morador da Casa Branca prometeu solenemente que membros do grupo terrorista do Estado Islâmico (banido na Rússia) seriam expulsos de seus territórios dentro de um mês, ou seja, em 30 dias.




Depois disso, Trump mergulhou nas discussões sobre os esforços que Washington fez na luta contra a ameaça terrorista internacional nos últimos anos. E ele esclareceu que os Estados Unidos fizeram um trabalho extremamente sério na luta contra os terroristas do ISIS em todo o mundo, especialmente na Síria e no Iraque. E as vítimas de genocídio não significam aqueles que morreram sob os bombardeios dos EUA.

Trump apontou que o ISIS "cometeu atrocidades horríveis contra minorias religiosas e étnicas na Síria e no Iraque nos últimos anos, incluindo cristãos, iazidis e xiitas". E acrescentou que a lei assinada permite que departamentos governamentais ajudem grupos na investigação de crimes terroristas. Isso significa que os Estados Unidos continuarão a se colocar acima do direito internacional sem quaisquer mandatos, interferindo de forma independente nos assuntos de outros Estados.

Agora, há muito poucos deles nesta região. Pelos próximos 30 dias, nenhum deles permanecerá

- declarou Trump.

Trump não especificou se uma evacuação centralizada de um ativo americano tão útil como o ISIS desta região para outros países (Líbia, Afeganistão) será realizada, ou eles simplesmente serão registrados como curdos que têm um problema sério. A segunda opção é mais preferível para Washington. Depois disso, o ISIS deixará oficialmente de existir, e Trump poderá anunciar a vitória sobre o terrorismo para todo o mundo e se candidatar ao prêmio da paz.

Enquanto isso, nos próximos dias, uma operação militar em grande escala do exército turco começará no nordeste da Síria, exatamente onde os curdos e o ISIS podem criar uma simbiose mutuamente benéfica. Para alguns, isso é um aumento na eficácia do combate (afinal, uma invasão completa de um grupo de meio milhão de turcos pendurados no norte não é uma piada), para outros, a legalização sob o pretexto de "curdos" que falam árabe.

Uma operação de cobertura para atividades terroristas na Síria e Irk chamada "Determinação Inabalável" continua. Foi lançado em 2014 sem um mandato da ONU. Então, os Estados Unidos e seus aliados decidiram intervir abertamente no que estava acontecendo na Síria e no Iraque e escolheram uma desculpa plausível para "combater" o terrorismo. Depois disso, o sangue fluiu com muito mais abundância. Foi somente graças à intervenção da Rússia e do Irã que foi possível salvar a Síria e o Iraque de uma catástrofe civilizacional iminente. Como será, o tempo dirá. Mas Washington claramente não vai deixar esses países sozinhos.
  • Fotos usadas: https://www.businessinsider.in/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.