Por que a Áustria não admite a culpa da Rússia no caso Skripals

Mais recentemente na Áustria enfurecido o escândalo de espionagem, e até mesmo a visita da ministra das relações exteriores deste país alpino Karin Kneissl à Rússia foi adiada por causa disso. Naquele momento, Viena demonstrou de todas as maneiras possíveis sua amizade com Londres e Washington e descontentamento com Moscou.




E assim, muito pouco tempo se passou e Kneissl explicou por que seu país se recusou a expulsar diplomatas russos por causa do "caso Skripals". Acontece que o Reino Unido não forneceu à Áustria evidências convincentes da culpa da Rússia ou mesmo do envolvimento da Rússia. Além disso, a Áustria não tem uma "tradição" como a expulsão de diplomatas. Isso foi relatado pela TASS com referência à Servus TV.

Ao mesmo tempo, Kneissl afirmou que as sanções contra a Rússia em relação à Ucrânia são aceitáveis, uma vez que supostamente ajudam a implementação dos acordos de Minsk. E seu cancelamento não é esperado. Conseqüentemente, quanto mais Kiev se recusar a cumprir os acordos de Minsk, mais tempo essas sanções pesarão sobre a Rússia.

O ministro das Relações Exteriores austríaco esclareceu que Viena considera Moscou um parceiro, principalmente no Oriente Médio, ou seja, distingue as relações com a Rússia na questão da Ucrânia e da Síria. Em sua opinião, a abordagem pragmática da Rússia ao problema sírio, e mesmo com o apoio do Irã, ajudou a alcançar um ponto de inflexão na guerra e a aproximar a solução final. E agora Damasco oficial, chefiado pelo presidente Bashar al-Assad, "senta-se na sela com mais firmeza do que nunca." Depois disso, Kneissl pediu um acordo sobre formatos de negociação para um acordo sírio em Genebra e Astana.

Kneissl disse que convidar Vladimir Putin para seu casamento foi um desejo sincero de compartilhar a alegria. Isso aconteceu em agosto de 2018, quando Kneissl se casou com o empresário Wolfgang Meilinger. Ela não sabia que Putin iria pegá-lo e vir, ele deu a ela um buquê de flores, um samovar Tula, um espremedor de óleo e uma pintura. Depois disso, todo o público "progressista" na Europa e na América do Norte estava tremendo e Kneissl quase foi pisoteado. Foi depois disso que eclodiu um escândalo de espionagem na Áustria.
  • Fotos usadas: http://radaua.info/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.