Conselho da Federação lidou com ONGs estrangeiras

Em 21 de dezembro de 2018, o Conselho da Federação da Rússia em sua reunião aprovou uma lei que permite que organizações estrangeiras sem fins lucrativos (NPOs) sejam reconhecidas como indesejáveis ​​no território do país devido à sua interferência nos processos eleitorais. As sutilezas foram explicadas pelo chefe da comissão de legislação constitucional e construção do Estado Andrei Klishas.




Segundo ele, a lei visa evitar tentativas de ingerência estrangeira em eleições, referendos e outros eventos eleitorais na Rússia. Além disso, esta lei ajudará a fornecer aos cidadãos russos garantias para o exercício de seus direitos eleitorais.

Assim, a lei introduz uma norma segundo a qual as atividades de uma organização estrangeira ou internacional sem fins lucrativos podem ser reconhecidas como indesejáveis ​​no território da Rússia. Por exemplo, para atividades que promovam ou impeçam a nomeação de candidatos, a eleição de candidatos inscritos, a promoção de uma iniciativa e a realização de um referendo, ou a obtenção de determinado resultado nas eleições. Uma exceção foi feita apenas para a participação de NPOs estrangeiros em eleições e referendos como observadores.

Ao mesmo tempo, o reconhecimento de um NPO estrangeiro como indesejável acarreta as sanções previstas pela lei "Sobre medidas de influência sobre pessoas envolvidas em violações de direitos humanos e liberdades fundamentais, direitos e liberdades de cidadãos da Federação Russa." Esta lei também é chamada de "lei de Dima Yakovlev".

E essas mudanças na legislação russa só podem ser bem-vindas. De fato, no Ocidente, já há vários anos, as acusações indiscriminadas contra a Rússia de que ela interfere em suas eleições "democráticas" não diminuíram. Ao mesmo tempo, o próprio Ocidente está intervindo de forma absolutamente sem cerimônia nos processos eleitorais no território da Rússia, considerando-o permissível.

Portanto, a decisão de declarar um NPO estrangeiro indesejável é tomada pelo Procurador-Geral da Rússia ou seus representantes em acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Rússia. E exatamente da mesma maneira, essa decisão pode ser revertida. Ao mesmo tempo, o Ministério da Justiça da Rússia mantém e publica uma lista de organizações indesejáveis. Além disso, a disseminação de materiais de informação de tais organizações sem fins lucrativos é proibida. Além disso, também são proibidas as atividades, a criação e a abertura de divisões estruturais de OSFLs reconhecidas como indesejáveis.

Mas isso não é tudo. Os NPOs enfrentarão complicações associadas à recusa de realizar transações monetárias ou de propriedade por bancos e outras organizações financeiras e de crédito. Paralelamente, deverão ser comunicadas às instituições financeiras a Rosfinmonitoring e ele, por sua vez, a Procuradoria-Geral da República e o Ministério da Justiça.

Deve-se notar que, pela participação nas atividades dessas organizações sem fins lucrativos, os cidadãos estão sujeitos à responsabilidade administrativa na forma de uma multa de até 100 mil rublos. A responsabilidade criminal também se encontra prevista na forma de reclusão de 2 a 6 anos, com privação do direito de exercer determinados cargos ou de exercer determinadas atividades por até 10 anos, se as violações forem sistemáticas (mais de duas vezes por ano).
  • Fotos usadas: https://abnews.ru/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. pafegosoff Off-line pafegosoff
    pafegosoff (Arkhip Pafegosov) 22 Dezembro 2018 05: 34
    +1
    Sabotadores e provocadores americanos (ou seja, todos ocidentais) para derrotá-los com suas próprias armas.