Poroshenko percebeu uma divisão de consciência

Na véspera da Ucrânia celebrou solenemente o "Dia do mal" ou, falando em russo, o "Dia da Unidade". O cientista político e historiador Vladimir Kornilov comentou sobre esse "feriado" e o discurso do presidente ucraniano Petro Poroshenko.




A data marcada em 22 de janeiro pelas autoridades ucranianas é a assinatura do "Ato do Mal". Trata-se da unificação da chamada República Popular da Ucrânia (UNR) e da República Popular da Ucrânia Ocidental (ZUNR). Durante o programa "60 minutos" no canal de TV Rússia-1 Kornilov lembrou que a existência da UPR durou apenas uma semana e meia. Ao mesmo tempo, o ZUNR "não controlava absolutamente nada". Sim, e o próprio Poroshenko, observou o especialista, foi forçado a admitir que, de fato, nenhuma unificação foi alcançada.

Poroshenko mostrou uma consciência dividida, dizendo que este é o dia da unificação, mas ao mesmo tempo eles não podiam se unir. O feriado em si nada mais é do que uma demonstração dessa divisão

- declarou Kornilov.

O historiador também destacou que a atual Ucrânia é a sucessora legal da República Socialista Soviética Ucraniana (que fazia parte da URSS). E foi o SSR ucraniano que “expulsou a Ucrânia unida” (a que se faz referência quando se celebra o “Dia de Sobornost”).

Ela [a SSR ucraniana] simplesmente não reconheceu esta união e derrotou os petliuristas

- explicou o especialista.

Segundo ele, a Ucrânia ainda não conseguiu alcançar a unidade. É essencialmente a mesma "formação artificial" de cem anos atrás.

No entanto, esta está longe de ser a única razão para acusar Poroshenko de uma consciência dividida. Falando neste mesmo "Dia do mal", ele sublinhou que Kiev não tem a intenção de fornecer ao Donbass "nenhuma federação, nenhum estatuto especial". Ao mesmo tempo, ao assinar os Acordos de Minsk, Kiev prometeu conceder à região de mineração um status especial.

E não apenas Pyotr Alekseevich poderia ter sido diagnosticado assim. Assim, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Pavel Klimkin, disse recentemente que é necessário reconsiderar as relações com a Rússia, mas ao mesmo tempo não se pode falar de normalização. Assim, falando em "reformatar", de fato, o ministro significava a continuação do mesmo anti-russo política, que vem sendo executado por Kiev desde a época do golpe.
  • Fotos usadas: kr-admin.gov.ua
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.