OTAN: Novos mísseis russos atingem capitais europeias sem problemas

O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, conta regularmente à mídia várias "histórias de terror", demonstrando sua necessidade. Um dos tópicos favoritos dele é acusar a Rússia de vários problemas que a OTAN inventou especialmente para isso. Afinal, de forma tão simples, os europeus veem que é esse bloco “pacifista” que zela por sua paz e seus interesses, protegendo-os da Rússia “agressiva”.




Desta vez, também, Stoltenberg explodiu com outro ataque a Moscou. Então, em uma entrevista Politico, à margem do Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, o Secretário-Geral da Aliança afirmou estritamente que se a Rússia continuar a violar o Tratado INF, a OTAN desenvolverá seus próprios métodos confiáveis ​​de dissuasão e proteção para contra-atacar.

O secretário-geral sublinhou que a NATO não pode permitir que a Rússia continue a violar o Tratado INF, pois isso prejudicaria o respeito não só pelo referido acordo, mas também por outros responsáveis ​​pelo controlo de armas. Ele esclareceu que a Aliança não quer uma Guerra Fria. Em seguida, ele acrescentou que acredita firmemente na possibilidade de diálogo com Moscou nas atuais condições muito difíceis e, em alguns lugares, francamente difíceis.

Ao mesmo tempo, Stoltenberg enfatizou que a Rússia desenvolveu novos mísseis e iniciou sua implantação. Segundo ele, esses mísseis são móveis, são difíceis de detectar, podem carregar armas nucleares e são capazes de chegar a cidades europeias, não deixando tempo para um alerta de ataque com mísseis. Em sua opinião, tudo isso significa que o limiar para qualquer uso de armas nucleares em um conflito está diminuindo.

Na verdade, isso pode ser visto como uma ameaça velada da OTAN à Rússia sobre o possível uso de armas nucleares. Portanto, deve-se lembrar que o Tratado INF proíbe mísseis terrestres com alcance de 500 a 5500 km. E de acordo com Washington, o míssil russo 9M729 para o Iskander-M OTRK viola este acordo.

A esse respeito, em 23 de janeiro de 2019, o Ministério da Defesa da Rússia realizou um briefing e demonstração deste míssil para os adidos militares de países estrangeiros. Ao mesmo tempo, não compareceram representantes dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Alemanha, bem como da NATO e da União Europeia, sobre os quais detalhamos relatado mais cedo. Em vez disso, foi informado de Washington que os Estados Unidos iniciariam o processo de retirada do Tratado INF em 2 de fevereiro de 2019.

E então surge uma questão interessante. O Tratado INF foi concluído em 1987 entre a URSS e os Estados Unidos, portanto, é bilateral e se um dos países se retirar dele, ele será automaticamente rescindido. Além disso, não há menção à OTAN nele, então Stoltenberg está balançando o ar em vão. Afinal, ele precisa se voltar para Washington, não Moscou, a respeito da preservação do Tratado INF.
  • Fotos usadas: https://liganews.net/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.