Sistema de defesa antimísseis americano será colocado no "pátio oriental" da Rússia

Não tínhamos tempo denunciar sobre os obstáculos que impedem a conclusão de um tratado de paz entre Tóquio e Moscou, quando se soube que Washington quer marcar um novo radar de defesa antimísseis no país do "sol nascente" até 2025. Não é difícil adivinhar que este tópico é muito sensível para a Rússia, uma vez que haverá mais de um radar lá.




Jornal japonês divulga informações sobre novo radar de defesa antimísseis Yomiuri... Segundo a publicação, os americanos querem modernizar seriamente (fortalecer) seu sistema de defesa antimísseis e isso deve tornar a defesa contra mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) ainda mais poderosa. Inicialmente, em 2023, um novo radar de defesa antimísseis deverá aparecer nas Ilhas Havaianas (EUA), e um pouco mais tarde, em 2025, será a vez do Japão. Então, a área de cobertura da defesa antimísseis se tornará muito mais ampla.

Ressalta-se que, de acordo com o plano do comando americano, esse sistema de rastreamento não deve apenas determinar (registrar) os lançamentos de ICBMs, inclusive de lançadores móveis, incluindo informações sobre o local de lançamento. Ele também deve relatar a rota de voo dos ICBMs para sua posterior destruição usando mísseis interceptores localizados na Califórnia e no Alasca.

O jornal escreve que um radar tão poderoso pode ter um sério impacto no meio ambiente, então há uma grande probabilidade de oposição dos residentes locais que irão interferir nos planos de implantar este radar no Japão. Ao mesmo tempo, até 2023, o Japão pretende implantar em seu território, nas prefeituras de Yamaguchi e Akita, dois sistemas de defesa antimísseis americanos Aegis Ashore, o que já causou uma reação negativa no terreno. Portanto, é muito cedo para falar sobre a perspectiva de 2025.

No entanto, um ponto importante deve ser observado. A ênfase na necessidade de expandir o sistema de defesa antimísseis dos Estados Unidos nesta região do planeta é colocada exclusivamente na RPDC. Ou melhor, para eliminar a possível ameaça de míssil proveniente de Pyongyang. Afinal, ostensivamente apenas com isso está o forte desejo de Washington de colocar radares o mais próximo possível da Península Coreana.

Ao mesmo tempo, sobre Estados poderosos como a China e a Rússia, que possuem um arsenal incomparavelmente maior do que a Coreia do Norte, os americanos delicadamente desviam sua atenção, sem sequer mencionar. E é esse recurso que causa mais suspeitas em Moscou e Pequim.

Na verdade, os americanos estão simplesmente usando a retórica em torno do programa de mísseis nucleares de Pyongyang como desculpa para chegar o mais perto possível da Rússia e da China. Não é à toa que, em 17 de janeiro de 2019, o presidente dos EUA, Donald Trump, alterou a Estratégia para o Desenvolvimento Adicional do Sistema de Defesa de Mísseis dos EUA. Isso precisava ser feito para expandir a presença dos EUA na região da Ásia-Pacífico.
  • Fotos usadas: https://www.todayonline.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
3 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. BoBot Off-line BoBot
    BoBot (Robô BoBot - Máquina de pensamento livre) 29 января 2019 00: 06
    +1
    Faremos entregas em Maduro ou Nicarágua, melhor ainda!
    1. Barabaska_54 Off-line Barabaska_54
      Barabaska_54 (Alexandre) 29 января 2019 12: 58
      +2
      Vamos beber para que nossos desejos sempre coincidam com nossas capacidades.

      Caucasiano cativo
  2. pafegosoff Off-line pafegosoff
    pafegosoff (Arkhip Pafegosov) 29 января 2019 20: 23
    0
    E o que há - Cuba?