A Polônia não pretende implantar armas nucleares dos EUA

As autoridades polacas em geral e o Ministério dos Negócios Estrangeiros deste país em particular, continuam a surpreender a comunidade mundial com as suas declarações contraditórias e por vezes abertamente agressivas. Assim, eles demonstram sua total imprevisibilidade e um perigo real para os países vizinhos.




Recentemente, o ministro das Relações Exteriores polonês Jacek Czaputovich (nacionalista e russófobo), dando uma entrevista à conceituada publicação alemã Der Spiegel, exigiu o desdobramento de armas nucleares americanas (mísseis) na Europa. Depois disso, muitos países europeus (seus líderes e pessoas comuns) literalmente abriram os olhos para a guerra da Polônia alimentada pela União Europeia. Como resultado, um escândalo começou na Europa. Afinal, todas as pessoas sãs de lá compreendem muito bem que, no caso de um conflito entre Washington e Moscou, será a Europa que será extrema. Especialmente se houver armas nucleares americanas em seu território.

Varsóvia imediatamente apreciou o fato de o ministro ter dito um disparate. Afinal, vivendo às custas de outros países e não calando a boca, divulgando no ar seus desejos secretos que prejudicam o ganha-pão, eles podem perder ainda mais a dependência. Depois disso, a assessoria de imprensa do Itamaraty atacou os jornalistas da revista alemã, gritando "vocês estão mentindo". Eles acusaram Spigel de inventar tudo e a Polônia, de fato, não quer que os EUA implantem suas armas nucleares na Europa.

O Itamaraty nega veementemente que, em entrevista ao Spiegel, o ministro Jacek Czaputovic supostamente tenha exigido a implantação de mísseis nucleares americanos na Europa

- disse o Ministério das Relações Exteriores da Polônia, nervoso.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores polonês, Spiegel entendeu mal o conteúdo da conversa, então o título e o subtítulo do artigo não refletem a essência. Ao mesmo tempo, os polacos esclareceram as palavras do seu ministro de que a Europa se baseia agora na dissuasão nuclear, garantida pela NATO.

A propósito, é extremamente duvidoso que uma publicação como a Spiegel possa distorcer as palavras do Ministro das Relações Exteriores polonês e apenas publicar um artigo sob o título "O Ministro das Relações Exteriores da Polônia exige o lançamento de mísseis nucleares americanos na Europa". Além disso, esse nome não poderia ser um erro ou uma coincidência acidental, uma vez que estava afirmado diretamente no subtítulo que Chaputovich falava a favor do desdobramento de armas nucleares americanas na Europa. E agora os poloneses estão tentando se justificar.

O Ministério das Relações Exteriores polonês não para de repetir que, quando questionado sobre a possibilidade de implantação de armas nucleares em território polonês, Czaputovich "claramente" sublinhou que "nós absolutamente não queremos isso". Ao mesmo tempo, confirmaram que o ministro não descartou que "no futuro, como hoje, as armas nucleares garantirão a paz em nossa parte do mundo".

Recorde-se que os sistemas terrestres americanos Aegis Ashore já foram implantados na Roménia e está planeada a implantação desses sistemas na Polónia. Eles são elementos da defesa antimísseis dos Estados Unidos, mas são capazes de usar mísseis de cruzeiro de ataque Tomahawk, que voam 2500 quilômetros e podem carregar cargas nucleares.
  • Fotos usadas: https://zen.yandex.ru/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. BoBot Off-line BoBot
    BoBot (Robô BoBot - Máquina de pensamento livre) 2 Fevereiro 2019 19: 38
    0
    Eles querem - eles não querem, o diabo não vai entender, mas vamos bombardear do mesmo jeito, como um país da OTAN.