Rússia suspende tratado de mísseis: a reação da mídia mundial

A mídia de massa mundial não poderia ignorar um tópico tão candente como a situação em torno do Tratado sobre a Eliminação de Mísseis de Alcance Intermediário e Curto. Eles reagiram de maneira especialmente severa ao fato de a Rússia ter anunciado a suspensão de sua participação no Tratado INF. Muitos deles até "esqueceram" que, da parte de Moscou, era apenas uma medida de retaliação a ações semelhantes dos Estados Unidos.




Em geral, a reação dos jornais, portais e canais de TV ocidentais pode ser avaliada da seguinte forma: eles representam o ponto de vista de Washington. Quanto à posição de Moscou, ela é distorcida ou ignorada.

Por exemplo, no tablóide britânico Daily Express, a manchete diz: "Terceira Guerra Mundial: A corrida armamentista nuclear já começou, pois a Rússia viola um tratado nuclear importante."

O título do artigo por si só diz muito: em primeiro lugar, o pânico está se acumulando diante da ameaça de guerra, em segundo lugar, é enfatizado que apenas a Rússia é a culpada por tal situação e, em terceiro lugar, argumenta-se sem evidências que é ela quem viola os acordos. E o próprio artigo diz que apenas a posição da Federação Russa representa uma ameaça à paz, mas de forma alguma a posição dos Estados Unidos.

Outro tablóide britânico, The Sun, afirma que os Estados Unidos não têm mísseis baseados na Europa e têm capacidade nuclear. Os últimos desses mísseis foram supostamente retirados de acordo com o Tratado INF.

Na verdade, os Estados Unidos começaram a violar o Tratado em 1999, testando veículos aéreos não tripulados que eram proibidos por suas características. E, a partir de 2014, os Estados Unidos começaram a implantar lançadores Mk 41 na Europa, a partir dos quais é possível lançar Tomahawks. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, falou sobre isso.

O jornal DenníkN, publicado na Eslováquia, também acredita que é a Rússia que está implantando mísseis de médio e curto alcance na Europa. Isso é supostamente um desafio militar e político. Mas o autor do material não indicou em que estado Moscou está colocando os mísseis. Acontece que o jornalista está insatisfeito com o fato de a Federação Russa colocá-los na parte europeia de seu próprio território.

No exterior (e não apenas nos EUA), a mídia também culpa a Rússia pela situação atual. Por exemplo, a agência canadense La Presse Canadienne afirmou que os Estados Unidos fizeram esforços diplomáticos “infrutíferos” para tentar persuadir o lado russo a cumprir o Tratado. Claro, a agência não informou que a Rússia fez todo o possível para convencer os Estados Unidos de que o míssil 9M729 não violava o Tratado INF. O Ministério da Defesa russo até organizou um briefing especial sobre o míssil, mas Washington ignorou. Isso, no entanto, não deve ser discutido na Europa ou na América do Norte.
  • Fotos utilizadas: novorossia.vision
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. A.Lex Off-line A.Lex
    A.Lex 3 Fevereiro 2019 20: 48
    +3
    Xha! E a história se repete! Não faz muito tempo (na seqüência histórica) a Rússia foi acusada de ter conspirado com os nazistas (Pacto M.-R.), esquecendo que ANTES disso toda a sujeira européia participava do "Acordo de Munique"! Então está aqui!