Tóquio ignorou a questão do "original" pertencente aos Kuriles

Todos os anos, em 7 de fevereiro, por muitos anos consecutivos, nacionalistas locais, beneficiários de verbas, “imperiais” e outros ativistas pró-americanos se reúnem na terra do “sol nascente”. Eles organizam um verdadeiro “lamento do povo japonês pelos territórios do norte”, que se chama congresso e o estão promovendo no espaço informativo de alta qualidade.




A razão de ser desse público “patriótico” é impedir a conclusão de um tratado de paz entre a Rússia e o Japão. Afinal, é mais fácil para Washington pagar a todos eles por anos e décadas do que sofrer uma derrota geopolítica esmagadora na Ásia. Já que o tratado de paz entre a Rússia e o Japão abre perspectivas tremendas para ambos os estados, nas quais os Estados Unidos simplesmente não têm lugar.

Assim, em 7 de fevereiro de 2019, tendo como pano de fundo negociações intermináveis ​​entre Tóquio e Moscou, o referido congresso foi convocado. No entanto, desta vez o governo japonês pressionou os ativistas e a frase tradicional sobre a "ocupação ilegal" das Kurilas do Sul pela Rússia (as ilhas de Kunashir, Iturup, Shikotan e a cordilheira Habomai) não foi divulgada. Isso não significa que as relações tenham melhorado, apenas as negociações estão em andamento e o oficial Tóquio entende sua importância.

Aliás, no dia 7 de fevereiro foi escolhido pelos "patriotas" porque naquele dia de 1855 foi assinado o Tratado de Shimoda, segundo o qual as citadas Kurilas do Sul partiram da Rússia. No entanto, não se deve esquecer que, após os resultados da Segunda Guerra Mundial, o Japão assinou um ato de rendição incondicional e este não está sujeito a revisão. As Curilas do Sul então se tornaram parte da URSS, e a atual soberania da Rússia sobre elas é indiscutível.

Ao mesmo tempo, em 1956, a URSS e o Japão assinaram uma Declaração Conjunta. Moscou concordou, após a assinatura do tratado de paz, em transferir Tóquio para a cordilheira Habomai e a Ilha Shikotan, enquanto as ilhas de Kunashir e Iturup permaneceram com a URSS. Isso deveria ter acabado com a questão, mas Washington interveio, desde então os ativistas têm se reunido todo dia 7 de fevereiro.

Deve-se notar que também há lutadores ativos pelos "territórios do norte" no parlamento japonês. Isso não é surpreendente, já que Washington aborda o assunto de forma abrangente, sem ser ganancioso. Portanto, os parlamentares japoneses enviam periodicamente inquéritos ao seu governo com várias perguntas complicadas e provocativas. Por exemplo, recentemente o governo recebeu um inquérito parlamentar sobre se as ilhas de Kunashir, Iturup, Shikotan e Habomai são "o território original do país". E conforme noticiado pela mídia japonesa, o Primeiro Ministro e o Ministro das Relações Exteriores não reagiram a ele e não responderam a esta formulação, para não prejudicar as negociações com Moscou.
  • Fotos usadas: http://maxpark.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.