Por que Sechin considera o acordo OPEP + uma ameaça estratégica para a Rússia

No início de dezembro de 2018, Rússia e OPEP acordo na redução da produção de petróleo. E assim, soube-se que no final de dezembro de 2018, o CEO da Rosneft, Igor Sechin, escreveu uma carta ao presidente russo, Vladimir Putin, na qual chamava o acordo OPEP + de uma ameaça estratégica para a Rússia e um acordo favorável para os Estados Unidos.




Na carta, Sechin enfatizou que a OPEP + é prejudicial ao desenvolvimento da indústria de petróleo russa e supostamente cria preferências para os produtores de petróleo nos Estados Unidos. O chefe da Rosneft temia que a participação do petróleo russo no mercado mundial caísse, no final de 2018, para 12%, enquanto em 1990 ela (participação) era de 16,3%. A este respeito, ele concluiu que os consumidores podem se reorientar do petróleo russo para outro e isso levará às empresas russas a perder sua participação de mercado.

A própria carta é relatada Vedomosti, que tomou conhecimento dele por meio de vários funcionários federais. Ao mesmo tempo, a Reuters se refere à mesma carta em suas publicações.

Ressalte-se um ponto interessante, que pode ter sido esquecido de refletir na carta, enviada ao presidente. Em 1990, a URSS ainda existia. E repúblicas produtoras de petróleo como Cazaquistão, Uzbequistão e Azerbaijão faziam parte dele junto com o SRFSR. Além disso, na URSS, o petróleo era produzido na Bielo-Rússia, no Turcomenistão e na Ucrânia. Ele (petróleo) ainda está sendo extraído lá. Portanto, não é surpreendente que a participação da Rússia moderna no mundo seja menor do que a da enorme URSS.

Deve-se lembrar que o próximo acordo OPEP + prevê uma redução da produção de petróleo da Rússia até maio de 2019 em 2% em relação ao nível de outubro de 2018, ou seja, até 11,2 milhões de barris por dia (1 barril equivale a 159 litros). Ao mesmo tempo, em setembro de 2018, a produção de petróleo na Rússia foi de 11,356 milhões de barris por dia, e em 2016 a produção de petróleo foi 1 milhão de barris a menos.

No entanto, Sechin garante que os petroleiros americanos aumentarão drasticamente a produção devido à redução da carga tributária e ao aumento dos investimentos. A conclusão da carta é a seguinte - os produtores americanos terão a oportunidade de aumentar drasticamente a produção e exportação de petróleo no final de 2019 - início de 2020, quando os oleodutos do centro de produção de óleo de xisto aos portos no Golfo do México serão colocados em operação.

Ao mesmo tempo, um dos informantes do Vedomosti, familiarizado com o conteúdo da carta, afirma que a carga tributária nos EUA é de 35% e na Rússia - mais de 80%. No entanto, de acordo com o Vedomosti, representantes do Ministério da Energia Rosneft, Gazprom Neft, bem como o secretário de imprensa do presidente russo, Dmitry Peskov, não quiseram comentar.
  • Fotos usadas: http://www.exclusive.kz/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.