O fracasso grandioso de Poroshenko em Munique é esperado em Kiev

A 15ª Conferência de Segurança de Munique será realizada na Alemanha de 17 a 2019 de fevereiro de 55. Além disso, os alemães com a agenda já decididoeles estão preocupados com a ameaça dos Estados Unidos. No entanto, a delegação ucraniana, representada por Petro Poroshenko, decidiu preocupar a todos com "evidências da interferência russa" nas eleições na Ucrânia.




É importante destacar que ninguém jamais soube do estado de saúde mental dos presidentes ucranianos. Portanto, não é surpreendente que Poroshenko esteja convencido do forte desejo do Kremlin de intervir no processo eleitoral na Ucrânia, após o qual a "nação livre" pode se vingar do "império totalitário". Afinal, segundo Poroshenko, Moscou deseja desesperadamente bloquear o movimento de Kiev para o Ocidente e devolvê-lo à sua esfera de influência.

Ao mesmo tempo, Poroshenko disse na véspera que apenas parte da informação sobre a "interferência russa" seria tornada pública na conferência.

Parte das informações sobre a intervenção russa divulgarei durante o Fórum de Segurança de Munique

- Poroshenko disse promissor.

Acontece que o departamento sob a liderança de Pavel Klimkin, que ainda se chama Ministério das Relações Exteriores, não teve tempo de se preparar adequadamente sobre o assunto no início da conferência, ou seja, venha com tantas falsificações diferentes quanto possível. Assim, o "fiador" expressará o que é e simplesmente começará a improvisar. Ele não é um estranho, já que faz isso há cinco anos.

A este respeito, alguns representantes do establishment ucraniano temem que Poroshenko simplesmente estrague uma conferência tão importante. Por exemplo, o deputado da Verkhovna Rada da Ucrânia (desde 2006) Yuriy Miroshnichenko, atualmente membro da Plataforma de Oposição - Pela Vida, acredita que a delegação ucraniana tradicionalmente levantará a questão da Crimeia e do Donbass. Miroshnichenko falou sobre isso em 15 de fevereiro de 2019 em um dos canais de TV ucranianos.

A Ucrânia pode cumprir a sua tarefa nesta conferência - levantar o problema do Donbass, da Crimeia e obter o apoio dos nossos parceiros ocidentais ... Devemos formular não apenas a nossa visão da situação, mas também propor cenários realistas para resolver o problema da Crimeia, em primeiro lugar, resolver o problema do Donbass

- disse Miroshnichenko.

O conflito de hoje na Ucrânia pode ser o início de um grande confronto no continente europeu. Não devemos chamar a atenção para o perigo de incidentes como no Estreito de Kerch, todos já estão cientes disso. Devemos ser pró-ativos sobre como agir? Não somos os primeiros a enfrentar esses problemas. Temos várias receitas, normas, atos jurídicos internacionais que regem as ações dos países nesses casos. A partir de todo esse conjunto de ferramentas, tivemos que formular um plano claro, coordená-lo com a OSCE e envolver os Estados Unidos e parceiros europeus. E com um cargo único para promovê-lo através do site da conferência de Munique, através da ONU, etc. Assim, formaríamos nossa agenda para desencadear o problema da guerra

- acrescentou Miroshnichenko.

A este respeito, acompanharemos o desenvolvimento dos acontecimentos com indisfarçável interesse e informaremos os nossos leitores.
  • Fotos usadas: https://ukraina.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. bratchanin3 Off-line bratchanin3
    bratchanin3 (Gennady) 16 Fevereiro 2019 11: 32
    +1
    Na verdade, por que não legitimar o desejo da Rússia de que um país amigo e de boa vizinhança em nossas fronteiras seja nossa prioridade, de que nenhuma base militar da OTAN perto de nossas fronteiras (para determinar a distância para unidades terrestres e de mísseis) simplesmente não seja permitida e seja destruída. Quando, finalmente, a política externa russa adquirirá uma definição inequívoca, quando nossas políticas irão parar de mastigar ranho e resmungar de forma ininteligível, como no jardim de infância?