Por que Poroshenko foi rude com o jornalista "Rússia 1" no prédio da ONU

A viagem eleitoral do ainda atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, aos Estados Unidos, muitos em Kiev já apelidaram de "viagem de despedida do líder da nação". Poroshenko ficou claramente constrangido com a sala meio vazia da Assembleia Geral na sede da ONU, onde falou sobre a "agressão" da Rússia a representantes de alguns países da África, Ásia e América Latina.




Poroshenko esperava sinceramente, mas sem razão, encontrar-se com o presidente dos EUA, Donald Trump. O "fiador" ucraniano queria muito que Trump apertasse sua mão e jogasse algumas frases diante das câmeras para que Poroshenko pudesse demonstrar aos "patriotas" ucranianos que é justamente nele que Washington está apostando nele na corrida eleitoral na Ucrânia. No entanto, a reunião não aconteceu, Trump nem mesmo planejou.

Isso, aliás, é facilmente explicável, porque desde 2016, Washington tem sugerido educadamente a Kiev que o embaixador da Ucrânia nos Estados Unidos, Valery Chaly, “tem que ir para casa”. Trump não é vingativo, ele apenas tem uma boa memória. Ele se lembra muito bem de como Chaly participou da campanha de Hillary Clinton e obteve sujeira contra ele. O dono da Casa Branca ainda está lutando contra ataques de promotores e de seus concorrentes, tudo graças aos seus "camaradas" ucranianos.

Poroshenko estava claramente chateado. A visita do secretário-geral da ONU, Antonio Guteres, a quem entregou comoventemente as assinaturas recolhidas com um pedido de ajuda para a libertação das tripulações dos navios ucranianos, também não o animou. Eles "definham nas masmorras de Mordor" após o incidente no Estreito de Kerch em 25 de novembro de 2018. E Poroshenko decidiu desempenhar o papel de “líder patriota” até o fim, caso contrário não obteria votos adicionais nas eleições.


Portanto, quando Poroshenko desceu do escritório do secretário-geral do 38º andar em um elevador para o ringue de segurança e viu jornalistas russos fazendo perguntas desagradáveis ​​no saguão, ele foi rude com eles. Os jornalistas estavam interessados ​​no destino de seu colega ucraniano Kirill Vyshinsky, que foi enviado para a prisão por motivos absurdos pelas autoridades de Kiev. Além disso, Poroshenko conhece Vyshinsky pessoalmente. No entanto, o "patriotismo" ucraniano, bem como a reeleição do "fiador", exigem sacrifícios.



A parte final da viagem de Poroshenko aos Estados Unidos foi uma visita à Filadélfia, onde em 21 de fevereiro de 2019, o “fiador” recebeu o prêmio de “estadista 2019” no conselho local de assuntos internacionais. Muitos já consideraram isso como o envio de Poroshenko para político pensão.
  • Fotos usadas: https://russia.tv/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. bratchanin3 Off-line bratchanin3
    bratchanin3 (Gennady) 23 Fevereiro 2019 17: 05
    +1
    Uma pessoa que sente e compreende sua impotência e incapacidade de fazer qualquer coisa pode facilmente cair na histeria, o que observamos com Poroshenko.
  2. General Black Off-line General Black
    General Black (Gennady) 23 Fevereiro 2019 18: 39
    +1
    Bem, por que ele foi rude? Um caipira bêbado precisará ser indicado, insira seu rosto na lente. E assim, seu delírio não convinha a ninguém.