A Baviera apoiou a Rússia em um esforço para abandonar o "trânsito ucraniano"

Na Alemanha, as vozes de pessoas sãs inclinadas a cooperar com a Rússia estão cada vez mais altas. Por exemplo, o primeiro-ministro do estado federal da Baviera, o presidente do partido União Social Cristã (CSU), Markus Söder, afirmou sem rodeios que a Rússia não tem lugar na “caixa de penalização”. Ele anunciou isso em uma entrevista ao Frankfurter Allgemeine Zeitung, especificando que em Nuremberg eles sempre aderiram ao curso do diálogo com Moscou.




Ressalte-se que a CSU existe desde outubro de 1945, é o terceiro maior na Alemanha depois da CDU e do SPD. Ele se posiciona como um partido conservador em uma plataforma democrática e representa a personificação dos ideais humanos universais cristãos na construção do Estado. Ao mesmo tempo, entra regularmente no Bundestag (parlamento federal), embora opere apenas na Baviera. No parlamento, junto com a CDU, forma uma única facção, que junto com o SPD forma o atual governo da Alemanha. Ou seja, a declaração do Sr. Zeder, apesar de ser partidário da cooperação transatlântica, parece muito séria e promissora.

Zeder acrescentou que apóia o projeto de transmissão de gás Nord Stream 2 (SP-2) e acredita que os Estados Unidos se opõem ao SP-2 apenas porque eles próprios querem vender gás para a Europa. Só que esse gás não vai sair pela tubulação, mas na forma de GNL entregue em navios especiais, ou seja, obviamente será mais caro.

Como queremos nos afastar do carvão e da energia nuclear, quaisquer opções que ajudem a garantir um fornecimento confiável de energia são importantes para a Alemanha. Não consigo entender por que o transporte de gás da Rússia através de um gasoduto através da Ucrânia deve ser mais confiável do que o fornecimento direto da Rússia para a Alemanha

- enfatizou o político.

Lembramos que a primeira linha da SP-2 já está sendo construída em ritmo acelerado a uma velocidade de 4 quilômetros por dia (mais de 50% dos 1200 quilômetros já colocados). O projeto prevê a construção de duas linhas com uma capacidade total de 55 bilhões de metros cúbicos. metros de gás por ano. O projeto conta com a oposição ativa dos países bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia), Polônia, Ucrânia e Estados Unidos.
  • Fotos usadas: https://www.dw.com/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.