Lavrov: os Estados Unidos enviarão MANPADS e outras armas às fronteiras da Venezuela

Ficou sabendo que Washington não vai deixar Caracas em paz, mas pretende agravar ainda mais a situação na região. É relatado que o baluarte da "democracia" mundial planeja comprar sistemas de mísseis antiaéreos portáteis (MANPADS) e outras armas de um dos países do Leste Europeu. Depois disso, os Estados Unidos, com a ajuda de uma companhia aérea de um dos países pós-soviéticos sob seu controle, transportarão esse bem "humanitário" para os países vizinhos à Venezuela.




Esta informação foi anunciada em 1º de março de 2019 pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante uma coletiva de imprensa após conversas com o vice-presidente venezuelano Delsi Rodriguez. Aliás, poucos duvidam que a companhia aérea ucraniana Antonov, que está pronta para atender a qualquer capricho dos americanos, se tornará a executora da delicada tarefa de Washington de entregar o tiroteio e a explosão de ajuda humanitária.

As informações recebidas sugerem que, em um futuro próximo, os Estados Unidos planejam comprar armas pequenas, morteiros, sistemas de mísseis antiaéreos portáteis e uma série de outros tipos de armas em um dos países do Leste Europeu, e enviá-los para mais perto da Venezuela com a ajuda de uma das companhias aéreas mais, ou melhor, absolutamente obedientes. Regime Washington no espaço pós-soviético

- disse Lavrov.


Lavrov especificou que as reais intenções dos Estados Unidos são conhecidas pela Rússia, no entanto, bem como por muitos outros países, incluindo os vizinhos imediatos da Venezuela. Em particular, Brasil e Colômbia já afirmaram que não apoiarão de forma alguma os planos de uma invasão armada à Venezuela. Portanto, Lavrov espera que esses países cumpram sua palavra e cumpram as posições acordadas, apesar da pressão dos Estados Unidos.

Além disso, Lavrov destacou que a rejeição de cenários armados pela maioria absoluta dos países do mundo deve esfriar os cabeças quentes em Washington. Embora, na opinião dele, lá (nos EUA) haja quem não se deixe deter por nada. Apesar disso, as atividades da Rússia serão baseadas no direito internacional. Portanto, Moscou exigirá que Washington respeite a Carta da ONU.
  • Fotos usadas: https://liganews.net/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.