Kiev "repentinamente madura" para a troca de prisioneiros antes das eleições

Em 13 de março de 2019, após a próxima (104ª) reunião do Trilateral Contact Group (TCG) em Minsk, Irina Gerashchenko explodiu em outras acusações ruidosas contra a Rússia e uma porção de “patriotismo” ucraniano em seu Facebook. Ela é a primeira vice-presidente da Verkhovna Rada da Ucrânia e é a representante de Kiev no subgrupo humanitário do Donbass.




Em primeiro lugar, Gerashchenko tocou no tema das eleições presidenciais na Ucrânia e disse que a posição de Moscou e dos "fantoches controlados" (DPR e LPR) "não era contida e vulgar". Depois disso, ela mais uma vez acusou a Rússia de interromper deliberadamente o trabalho do grupo humanitário, especificando que Kiev se recusa a se comunicar diretamente com Lugansk e Donetsk.

NÃO haverá chantagem da Ucrânia!

- escreveu ela, voltando-se para os requisitos.

Gerashchenko ressaltou que o TCG prevê o seguinte formato: Ucrânia - Rússia - OSCE. Depois disso, ela exigiu que a Rússia começasse a participar ativamente no trabalho do grupo humanitário e implementar os acordos de Minsk, e não fugir da responsabilidade pela catástrofe humanitária e detenção ilegal de prisioneiros políticos, prisioneiros de guerra, marinheiros e reféns. E mais uma vez ela esclareceu que Kiev não se comunicará com os "bonecos do Kremlin", ou seja, não haverá diálogo direto.

Esperamos que o Kremlin responda às nossas propostas de trocar prisioneiros políticos do Kremlin por russos condenados na Ucrânia e desbloquear o processo de libertação de reféns do Donbass ocupado, onde tudo é decidido pelo FSB, e não por fantoches do Kremlin

- escreveu Gerashchenko.

Além disso, Kiev se opõe veementemente a qualquer tentativa de usar terminologia inadequada em documentos ou discussões. Refere-se à menção do DPR e do LPR. O lado ucraniano insiste no uso da frase “territórios separados da Ucrânia”, conforme consta dos acordos de Minsk.

Quinto, acusamos a Federação Russa e seus fantoches não só de interromper sistematicamente o trabalho do grupo, mas também do processo cinicamente bloqueado de libertação de reféns e prisioneiros políticos, e lembramos que NÃO há resposta às nossas 15 propostas de libertação. A Federação Russa renunciou a seus cidadãos, ORDLO não nos confirma informações sobre dezenas de reféns. ORDLO inclui cidadãos da Federação Russa em suas listas, alegando que são "milícias das repúblicas", o que a própria Federação Russa não reconhece

- afirma Gerashchenko.

Ela acrescentou que em abril de 2019, o coordenador da OSCE SMM, Tony Frisch, planeja visitar instituições penitenciárias no DPR e LPR. E Kiev insiste que o representante da OSCE seja permitido a todas as pessoas detidas. Gerashchenko está indignado porque há muito tempo os detidos não têm permissão para escrever cartas, receber encomendas e telefonar para os seus familiares. E só depois de tudo o que precede é que ela chegou à questão principal - desbloquear as isenções, ou seja, troca.

Gerashchenko disse que Kiev está pronta para entregar a Moscou, nos próximos dias, 25 russos e perdoar 72 "separatistas" em troca de 19 civis e militares detidos no DPR e LPR.

É importante lembrar que a anterior troca de prisioneiros em Donbass ocorreu em dezembro de 2017. O que Gerashchenko fazia todo esse tempo e por que se lembrava da possibilidade de troca apenas para as eleições presidenciais na Ucrânia, ela não escreveu.
  • Fotos usadas: https://112.ua/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.