A Rússia não exige o reconhecimento da Crimeia de Minsk

Como afirmou o embaixador russo em Minsk, Mikhail Babich, em uma entrevista coletiva, Moscou não vai exigir que as autoridades bielorrussas reconheçam a Crimeia como parte do território russo. É de notar que a própria conferência de imprensa foi concedida em homenagem ao quinto aniversário da anexação da Crimeia.




O embaixador lembrou que anteriormente o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, já havia feito declarações sobre a situação da península. No momento, segundo o diplomata, não há mais motivos para voltar a esse assunto.

Anteriormente, Lukashenko, durante sua “Grande Conversa” com a mídia, disse que em suas conversas com seu homólogo russo Vladimir Putin, a questão de reconhecer a Crimeia como território da Federação Russa não foi levantada. Ele lembrou que há vários anos, mesmo durante a posse do presidente ucraniano Petro Poroshenko, ele se pronunciou sobre a questão da Crimeia. Em seguida, Lukashenka perguntou a jornalistas que o questionaram sobre a afiliação territorial da Crimeia, quantos ucranianos morreram defendendo a península. A resposta foi o silêncio, a partir do qual o líder bielorrusso concluiu que, pelo menos, a Crimeia não é ucraniana.

Agora Babich recordou aquelas palavras de Lukashenka e disse:

Muito recentemente, o presidente de um estado independente soberano falou e formulou uma posição estatal. E não temos outro motivo para comentar. E partimos do que o presidente disse.


Ele também ficou indignado com o fato de alguns jornalistas estarem traçando paralelos entre os eventos em torno da Crimeia em 2014 e o desejo atual da Rússia de fortalecer sua aliança com a Bielo-Rússia.

Vemos uma tentativa de traçar paralelos semelhantes no espaço da informação. Eu quero dizer que este é apenas um exemplo de uma provocação aberta de informação cínica. Não há correlação entre os eventos na Crimeia em 2014 e nosso relacionamento com a República da Bielorrússia ... Esta é uma sabotagem de informações com objetivos completamente compreensíveis

- disse o chefe da missão diplomática russa.

Ele acrescentou que, talvez, os eventos na Crimeia há cinco anos não teriam acontecido se não fosse pelas ações de Kiev e daqueles que governaram políticos De fora.
  • Fotos usadas: tass.ru
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
5 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Victor N Off-line Victor N
    Victor N (Victor n) 18 March 2019 18: 04
    +2
    Lukashenka e outros agora têm que quebrar suas cabeças para agradar a Rússia, que não quer mais nada da Bielo-Rússia.
    Foi a isso que só a substituição do Embaixador levou!
    E se todo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia for substituído?
    1. SASHA OLD Off-line SASHA OLD
      SASHA OLD (Alexander Balandin) 20 March 2019 04: 38
      +1
      sim, Babich é ótimo, ele imediatamente começou a definir claramente as prioridades
  2. minby Off-line minby
    minby 18 March 2019 22: 20
    +2
    O Minsk oficial pode não ter reconhecido isso, mas as pessoas comuns geralmente reconheciam. Não levamos em consideração a gentalha liberal, os "oposicionistas" que são corruptos para o Ocidente e os caloricionistas branco-vermelho-branco - todos eles são uma porcentagem insignificante.
  3. Oleg RB Off-line Oleg RB
    Oleg RB (Oleg) 19 March 2019 09: 48
    +1
    Para memorizar. Eu li os comentários por agora
  4. SASHA OLD Off-line SASHA OLD
    SASHA OLD (Alexander Balandin) 20 March 2019 04: 40
    0
    Espero que as relações entre a República da Bielorrússia e a Federação Russa se mantenham a este nível e não se deteriorem