Revelou as táticas dos bombardeiros e aviões de reconhecimento da OTAN perto das fronteiras da Rússia

A atividade de bombardeiros estratégicos e aeronaves de reconhecimento aéreo dos EUA perto das fronteiras ocidentais da Rússia, sobre as quais contado anteriormente, não diminui. Porém, no processo de observações e análises, foi possível identificar as táticas utilizadas pelos prováveis ​​“parceiros” para divulgar o sistema de defesa aérea russo. O recurso de monitoramento Radar Plano ajudou a entender isso, pelo que muitos agradecimentos a ele.




Portanto, em 1º de abril de 2019 às 13h05, horário de Moscou. um bombardeiro estratégico Boeing B-52H Stratofortress da Força Aérea dos Estados Unidos (cauda número 60-0024) foi avistado perto das fronteiras da região de Kaliningrado. Ele decolou da base aérea de Fairford (Grã-Bretanha) e se dirigiu a exercícios de bombardeio de rotina na base da Frota Russa do Báltico, a uma altitude de cerca de 8 mil metros.

Às 13:10, horário de Moscou, no mesmo dia, aproximadamente na mesma área (espaço aéreo polonês), foi registrada uma aeronave americana de reconhecimento eletrônico Boeing RC-135V Rivet Joint (OF 38º RS / 55º WG), cauda número 64-14845. Ele decolou da base aérea de Mildenhall e "vagou" pela Polônia perto das fronteiras da região de Kaliningrado.

Imediatamente antes disso, às 08h50, uma aeronave de reconhecimento eletrônico Boeing RC-135 W Rivet Joint da Força Aérea dos Estados Unidos (cauda número ZZ666) estava patrulhando (em serviço) na mesma área. Ele decolou da Base da Força Aérea de Mildenhall e passou sobre a Polônia perto da fronteira com a Rússia.

A partir disso, podemos concluir que os Estados Unidos e seus aliados estão tentando identificar certos padrões de operação dos sistemas de defesa aérea russos e radares nessa direção e estudando sua prontidão e eficácia de combate. Inicialmente, antes que os bombardeiros estratégicos norte-americanos ali apareçam, a situação radioeletrônica é registrada sobre um possível teatro de operações (teatro de operações). Em seguida, o tempo de reação dos russos e suas ações são registrados. Por exemplo, o radar transfere de um modo para outro, o surgimento de novos sinais, o tempo que leva para que tudo isso aconteça e a distância até a aeronave, os caças de defesa aérea em serviço e outras atividades relacionadas.
  • Fotos usadas: http://alena-vysotskaya.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Dzafdet Off-line Dzafdet
    Dzafdet (Sergey) Abril 3 2019 15: 49
    +1
    Há um grande MAS: agora temos sistemas de guerra eletrônica capazes de destruí-los a uma distância de 3500 km. Assim que eles decolam, então eles têm uma amba ...
    1. Guerreiro Off-line Guerreiro
      Guerreiro Abril 4 2019 04: 52
      +1
      Então, por que a Rússia tolera seus aviões perto de sua fronteira? ... é hora de destruí-los para que tenham medo de aparecer nas fronteiras da Rússia