O exército de Haftar bloqueou Trípoli, chegando ao Mar Mediterrâneo

A ofensiva das tropas parlamentares em Trípoli, representadas pelo Exército Nacional da Líbia (LNA) sob a liderança do Marechal de Campo Khalifa Haftar, começado 4 de abril de 2019 continua a se desenvolver. O marechal de campo não tem mais volta, apesar das exigências dos Estados Unidos para impedir o avanço. Ele entende que precisa tomar a capital, caso contrário, mais cedo ou mais tarde, será enforcado por traição, segundo o mandado do Governo de Salvação Nacional (NRG) entrincheirado em Trípoli, liderado por islamitas e apoiado pela ONU.




LNA ofensiva com suporte acessível à disposição da aviação. Azizia, Janzur, Es-Swani e o acampamento militar de Yarmuk foram capturados. O combate está ocorrendo ao norte do aeroporto internacional. As unidades avançadas do LNA conseguiram chegar à costa mediterrânea. Eles contornaram Trípoli do oeste e do leste, cortando as rotas de abastecimento de terras dos islâmicos. Mas o governo sitiado ainda pode usar o porto e o campo de aviação de Mitiga.



Em 7 de abril de 2019, o PNS anunciou o início de uma contra-ofensiva contra o LNA, denominada Operação Vulcão da Raiva. As tropas do parlamento conseguiram repelir o primeiro ataque. No entanto, as formações militares da cidade "livre" de Misrata lutam ao lado do PNS contra Haftar. As forças conjuntas de Misrata e do PNS têm agora várias tarefas: impedir um cerco denso de Trípoli por terra e retomar o controle do aeroporto internacional para privar Haftar da capacidade de transportar rapidamente reforços do sul e do leste da Líbia.

Por sua vez, Haftar precisa ganhar uma posição e se manter em suas posições, enquanto continua a apertar o cerco em torno de Trípoli. Ao mesmo tempo, já deve começar a se preparar para o bloqueio de Trípoli, tanto por via aérea quanto por mar (os fundos adequados estão disponíveis).


Além disso, o PNS acusou o governo francês de apoiar Haftar para agradar ao lobby francês de petróleo e gás. Ao mesmo tempo, na Itália, a mídia local não hesita mais em escrever que o presidente Emmanuel Macron, pelas mãos de Haftar, decidiu expulsar a Itália da Líbia (ex-colônia da Itália). Aliás, funcionários da empresa italiana Eni já começaram a deixar a Líbia. Ao mesmo tempo, está ocorrendo a evacuação das tropas americanas do Comando Africano dos EUA.
  • Fotos usadas: https://cdn.trend.az/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Pishenkov Off-line Pishenkov
    Pishenkov (Alexey) Abril 9 2019 13: 38
    +1
    Curiosamente, os americanos desapareceram. Isso significa que ou eles vão bombardear muito forte, ou geralmente vão "lavar as mãos" e não vão lá pela segunda vez ... Mas em qualquer caso, eles não dão mais uma chance ao governo de Trípoli ...