O Japão é contra quebrar o Tratado INF, embora "compreenda os EUA"

Tóquio decidiu se manifestar sobre o que estava acontecendo depois que Washington anunciou que suspenderia sua participação no Tratado INF em 2 de fevereiro de 2019, e em seis meses esse acordo deixaria de existir por completo. O país do "sol nascente" é contra a rescisão do Tratado INF e considera indesejável rescindir este acordo, mas entende os motivos dos Estados Unidos que levaram Washington a tomar tal medida. O anúncio foi feito em 4 de fevereiro de 2019 em uma conferência de imprensa em Tóquio pelo Secretário-Geral do Gabinete de Ministros japonês Yoshihide Suga.




Consideramos indesejável a rescisão do contrato. No entanto, pode-se entender a formulação da questão que levou os Estados Unidos à solução atual

- disse Suga.

Devemos lembrar que a "paz" de Tóquio parece bastante arbitrária. Por exemplo, em 2023 no Japão pretende implantar em seu território, nas prefeituras de Yamaguchi e Akita, dois sistemas americanos de defesa antimísseis Aegis, e até 2025 um novo radar de defesa antimísseis aparecerá no território do país. Ao mesmo tempo, o Aegis, já agora, pode ser usado para lançar mísseis de cruzeiro Tomahawk, que são capazes de voar 2500 quilômetros e transportar armas nucleares.

Na véspera do discurso de Suga, o jornal japonês Asahi escreveu que o término final do Tratado INF levaria ao lançamento de novos mísseis americanos na região da Ásia-Pacífico (APR). Isso poderia colocar o Japão, em cujo território existem bases militares americanas, o centro do confronto entre Washington e Pequim. Ao mesmo tempo, foi esclarecido que o Tratado INF foi um impedimento para os Estados Unidos, enquanto a China, que não faz parte do acordo, estava construindo seu poderio militar sem qualquer hesitação.

De acordo com Asahi, se o Tratado INF deixar de existir, e tudo rumo a isso, os Estados Unidos, em um período de três a sete anos, vão implantar novos mísseis de médio alcance na região. E podem tentar colocá-los no Japão, nas Filipinas, em Guam e em outros lugares.

A propósito, sobre a reação dos "camaradas" chineses ao que está acontecendo, nós relatado mais cedo. Deve-se acrescentar que em 2 de fevereiro de 2019, o presidente russo Vladimir Putin deu uma resposta espelhada aos Estados Unidos e disse que Moscou também suspendia sua participação no Tratado INF.
  • Fotos usadas: https://lifeinjapan.ru/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.